O trabalho e seu valor

Para mim sempre foi difícil valorar meu trabalho. Como sou autônoma há muitos anos, preciso fazer propostas de trabalho e aí surgem questões do tipo: é muito? é pouco?
Diante dessa dificuldade iniciei uma atividade onde o valor pago pelos clientes seria sobre o êxito e para o andamento da mesma eu receberia um adiantamento a ser parcialmente descontado no ganho final. Um arranjo divino, que trouxe paz tanto para mim como para o desenvolvimento da atividade, ao qual sou imensamente grata.
Há um contínuo desgaste em relações, especialmente no que se refere a questão de montantes a ser pagos ou recebidos. Além disso costumamos ficar presos em determinadas atividades por que nos oferecem um “valor” substancial e nos mantemos em relações desgastadas pelo mesmo motivo.
Damos tanto poder ao dinheiro e posses que permitimos ser aprisionados, limitados e infelizes em função de um monte de moedas ou de bens imóveis.
Ao aprofundar a questão do valor a ser cobrado em um trabalho, percebi que a moeda não representa aquilo que é oferecido e sim que é simplesmente um elemento de troca com valores ditados pelo que se acredita ser merecido, quase nunca estando diretamente ligado ao real valor daquilo que é realizado. Os exemplos disso são astros, jogadores e políticos de um lado e pessoas que servem, limpam e organizam nossa vida, de outro.
Diante dessa constatação podemos desfazer o sentimento de mais ou menos valia que envolve as situações onde propomos algo, pagamos ou somos remunerados.
A questão não é desfazer o valor da moeda ou das posses materiais, a questão é desfazer o seu poder. Existe um poder acima da moeda, o poder que a cria.
Quando conseguimos aceitar o valor do Amor, que é o único poder Criador, conseguimos também entender que as moedas que são pagas pelo nosso trabalho nada significam.
Se são muitas, se são poucas, em nenhum caso representam o valor daquilo que estamos realizando. Antes delas está o sentimento que cria e transforma: o Amor. E, estando conscientes disso, não mais nos desgastamos , nos aprisionamos ou aprisionamos alguém por conta de um mero valor material.
Portanto o valor do trabalho é medido pelo valor do Amor que estamos sentindo ao realizar nossas atividades. Se não aceitamos a presença do Amor naquilo que estamos realizando, não será uma montanha de dinheiro que nos fará realizados e felizes.
Agora, se amamos nossa atividade pouco nos importa o quanto vamos receber por ela, pois estaremos seguros de que o Amor é o Criador, e tendo-O como base para nossas realizações, jamais nos faltará o que quer que seja.
Deixamos então uma existência limitada, escassa e infeliz para vivenciar uma realidade ilimitada, abundante e Feliz!!

Autora dos livros
A Culpa não é Sua – Perdão: A Essência da transformação – Ed. BesouroBox
A Comunicação por meio do Amor – Ed. Scortecci
Relações de Amor Sinceras – Ed. BesouroBox

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s