A DOÇURA DE SER MULHER

No mundo corporativo, no lar, no grupo social, a mulher costuma competir com os homens que, ao perceberem isso se retraem, ficam na defensiva e inicia-se uma batalha pelo espaço a ser conquistado.

Esse jogo de conquista se estende pelos relacionamentos que ambos buscam, acreditando que seriam afetivos, mas o afeto não desponta na relação, no máximo um sentimento de culpa que compete com ele, que é destrutivo e não construtivo como é o verdadeiro afeto.

O amor que queremos sentir está em nós, não na mente e sim na alma.

O sentimento obsessivo que acreditamos ser amor, fica na mente: pensamos em determinada pessoa ou projeto o tempo todo, é cansativo e desgastante, dificultando qualquer relação seja ou afetiva ou profissional.

Para nos desfazer dessa obsessão, que não significa desistir do que pretendemos (embora o ego pense assim), precisamos nos perdoar pela obsessão e pedir apoio Divino para tirar da mente e colocar a pessoa ou projeto no coração.

Assim, passamos a nos sentir seguras de que o que estamos querendo realizar ou vivenciar, acontecerá no momento adequado.

Quando nos sentirmos sós, tristes ou deprimidas, devemos buscar a nossa Essência, ela, com sabedoria orientará sobre algo que podemos praticar para superar tal momento. Por exemplo: outro dia, quando voltava de uma atividade profissional externa, sentia-me muito triste. Logo comecei a pensar em contatar com meu amigo afetivo mas percebi que não devia buscar alegria ali, esta deveria vir de mim mesma.

Então comecei a voltar-me para o meu Interior dizendo que aceitava, optava em perdoar e entregava o que eu estava sentindo. Em seguida sem esforço, acessei um áudio de Ho’oponopono para Amor Próprio, que havia recebido no whats de uma querida leitora. Ouvi duas vezes e logo percebi minha mente mudando para uma visão positiva, deixando de esperar que o amor e a alegria viessem de alguém, sentindo que essa poderosa e sublime energia emanava do meu Interior. Agora eu poderia oferecer esse sentimento, deixando de exigir ou buscar atenção e afeto em alguém.

Há alguns anos, enquanto escrevia o livro “A CULPA NÃO É SUA”, recebi um recado escrito em letras de forma como luzes na parede de meu quarto escuro, na madrugada, este dizia:

‘NOS QUE SOMOS MULHERES DEVEMOS APRENDER E ENSINAR A PERDOAR”

É da forma que esse texto explica que a mulher passa a ensinar sobre o Perdão, pois vivencia as situações utilizando-se da alma, passando a doçura à diante, de forma verdadeira e sincera.

############################################################

Autora dos Livros: A Culpa não é Sua e Relações de Amor Sinceras – Editora BesouroBox e Diálogo da Conquista (em e-book.).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s